Aller au contenu Aller au menu principal Aller à la recherche

Gripes, constipações e problemas invernais: que ajudas naturais existem?

Pense nas plantas, de modo a evitar os problemas do inverno. Que plantas devemos escolher para recuperar o bem-estar respiratório ?

Ajudas para o seu sistema imunitário

Equinácea
(Echinacea purpurea)

Echinacée

Esta planta, que cresce principalmente na parte central e oriental da América do Norte, está destinada às pessoas que desejam manter as defesas do seu organismo. Os ameríndios foram os primeiros a utilizá-la contra os problemas respiratórios. A equinácea, que floresce de junho a setembro, contribui para o bom funcionamento do sistema imunitário, de modo a enfrentar da melhor maneira possível os problemas do inverno.

Acerola
(Malpighia glabra)

A acerola, um pequeno fruto vermelho parecido com a cereja, cultivado na América do Sul (sobretudo no Brasil e nas Caraíbas) é uma excelente fonte natural de vitamina C que contribui para reduzir a fadiga. Graças às suas propriedades tonificantes, a vitamina C é aconselhada a pessoas que desejem recuperar a energia e a vitalidade, sobretudo no período de inverno.

Vitamina D3
 

Mais conhecida pelo nome de vitamina do sol, a vitamina D3 encontra-se especialmente indicada durante o inverno e nas mudanças de estação, uma vez que contribui para o normal funcionamento do sistema imunitário. Mas onde a podemos encontrá-la? A vitamina D (calciferol) é sintetizada na pele por ação dos raios UVB, sendo esta a principal fonte de aporte desta vitamina lipossolúvel. No diz que respeita à alimentação, a vitamina D encontra-se sobretudo no salmão, no atum, na truta, no leite de vaca e no leite de soja.

As melhores soluções para enfrentar o inverno

Para enfrentar os problemas de inverno, pode adquirir-se nas farmácias (e parafarmácias) suplementos alimentares à base de extratos de plantas, vitaminas e minerais. Estes suplementos alimentares serão muito mais úteis se forem tomados aos primeiros sintomas de congestão das vias respiratórias ou de irritação da garganta. Vejamos os componentes destes produtos.

No que diz respeito às plantas, encontramos geralmente o marrúbio, o pelargónio e o eleuterococo, que contribuem para o bem-estar respiratório.

Eleuterococo
(Eleutherococcus senticosus)

Colhida na Sibéria (daí o seu nome de “ginseng russo”), na Coreia e também na China e no Japão, o eleuterococo é uma planta tonificante. Atua nas vias respiratórias superiores, como o nariz e a garganta. Também tem propriedades energizantes, úteis em caso de fadiga física e/ou intelectual. Em resumo, dois efeitos complementares para passar tranquilamente o inverno.

Pelargónio
(Pelargonium sidoïdes ou reniforme)

pelargonium

Originário das costas do sul de África, a família do pelargónio compreende mais de 200 espécies distintas. Esta planta de cor vermelha escura, quase negra, é útil para responder aos problemas respiratórios que afetam muitas pessoas no inverno. Ajuda sobretudo a melhorar a respiração.

Marrúbio
(Marrubium vulgare)

marrube-blanc

Esta planta ajuda a acalmar as vias respiratórias. Considerada “a planta” do bem-estar respiratório, o marrúbio é especialmente útil em caso de rouquidão.

No que respeita aos minerais, temos o  cobre e o selénio que contribuem para o bom funcionamento do seu sistema imunitário. Ambos desempenham uma função antioxidante e ajudam a proteger as células contra o stress oxidativo. Mas, onde se encontram?

  • O cobre entra na composição do marisco, do chocolate negro e de determinados legumes como o feijão vermelho e o grão-de-bico.
  • O selénio, um oligoelemento, está presente sobretudo nas nozes, nas ostras, nos cogumelos e em alguns peixes como o alabote, o atum e o salmão.

No que respeita às vitaminas, a vitamina C é a mais utilizada. Intervém a diversos níveis e contribui para:

  • Reduzir a fadiga e conseguir um metabolismo energético correto.
  • Manter o normal funcionamento do sistema imunitário, durante e após a prática de exercício físico intenso.
  • Proteger as células contra o stress oxidativo.

 

 


Tabla Ciqual Composição nutricional dos alimentos, versão 2013, Anses